Tribos indígenas americanas
43658 views
23 de Junho de 2011
Huron
Moicanos
Iroqueses
Cherokees
Comanches
Navajos
Sioux
Touro Sentado
Creek
Seminoles
As Cinco Tribos Civilizadas
Apaches
Mangas Coloradas
Cochise
Victorio e Nana
Gerônimo
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Movimento Harmônico Simpl...
15 postagens
Barroco (Literatura Brasi...
20 postagens
Movimentos e Revoltas no ...
18 postagens
Direito
52 postagens
Função da Química Inorgân...
14 postagens

 

Iroqueses - Os Iroqueses ainda são uma das poucas nações índiginas americanas que sobreviveram ao tempo, existem hoje em dia algo em torno de 125 mil índios Iroqueses, obvio, esse número passa longe dos milhões de índios que ocupavam parte dos EUA e Canadá no século XV, mas ainda persistem em conviver com o homem branco. Este povo vivia em torno da região dos Grandes Lagos, primariamente no sul de Ontário, uma província do Canadá, e no nordeste dos Estados Unidos da América. Os iroqueses de antigamente eram primariamente nômades. Até o século XVII, formavam o que é atualmente chamado de nação iroquesa. Atualmente, esta nação indígena é composta pelos povos seneca, cayuga, onondaga, oneida, mohawk e tuscarora, formando uma confederação distribuída entre o Canadá e os Estados Unidos (principalmente no Estado de Nova Iorque e na província de Quebec). O único homem branco que foi rasoavelmente aceito no meio deles, foi o jesuíta Joseph François Lafitau, que consegiu viver entre os índios por incríveis 6 anos. Após sua saída da aldeia, ele voltou para a Europa onde publicou um livro contando a história dos anos no qual ele teve como única companhia, os índios. O livro escrito pelo jesuíta frances foi publicado em 1724, e o original dele se encontra no museu do Louvre, em Paris. O livro é mais ou menos como um diário, nele, o jesuíta escreveu o dia-a-adia dos nativos, suas qualidades e seus defeitos. Embora eles não acreditassem no mesmo deus que o jesuíta, eles respeitavam e ficavam curiosos com as histórias que lhes eram contadas. Lafitau abordou também os ritos de casamento, os jogos, lazer, doenças, enterros, língua, caça, educação e a divisão de trabalho entre os iroqueses, enfocando seus estudos na religião. Para ele, os iroqueses possuíam a sua religião (diferentemente de pensadores anteriores, que afirmavam que os índios não tinham religião alguma). Passados 4 anos que o jesuíta estava no meio dos índios, ele pode ver pontos positivos e negativos no meio indigena. Os Iroqueses eram corajosos, raramente davam demonstração de que estavam com medo de alguma coisa, eram atenciosos com visitantes e partilhavam tudo, comida, objetos de caça, vestimentas e etc. Por outro lado, se alguém fizesse alguma coisa que não agradasse a algum Iroques, este poderia esperar que uma vinçança viria em breve. E embora eles compartilhassem tudo na aldeia, muitos deles cobiçavam muitas coisas, mania essa, que veio junto com o homem branco.
Laifi © 2011-2017 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda