São Paulo - SP
7134 views
06 de Dezembro de 2011
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Buenos Aires
88 postagens
Salvador - Bahia
24 postagens
Paraty
53 postagens
Barcelona - Espanha
19 postagens
Londres
23 postagens

 

Parque Estadual do Jaraguá - O canto refrescante das águas límpidas correndo por entre as pedras do caminho, em meio à mata pluvial, inspirou aos nativos dessa terra seu batismo indígena: Jaraguá, em tupi, significa águas que murmuram. Ponto mais elevado no entorno da área metropolitana de São Paulo, com 1127 metros de altitude, o pico que leva o nome do murmúrio das águas é um marco na história dos bandeirantes e do montanhismo paulista. Foi por lá que os fundadores do Clube Alpino Paulista (CAP) fizeram suas primeiras excursões. Hoje, o Parque Estadual do Jaraguá, há apenas 16 quilômetros do centro da capital, preserva, no sopé da montanha, uma valiosa amostra de mata atlântica secundária, com 5 milhões de m². Nessa área protegida encontra-se uma grande diversidade biológica, com muitos animais e árvores frondosas e centenárias, com jatobás e jequitibás. Foi na base dessa montanha que o patriarca Brás Cubas iniciou, em 1561, uma das primeiras lavras de ouro do país. Três décadas depois, Afonso Sardinha, capitão da Vila de Piratininga, ergue ali uma fortaleza que logo se tornou ponto de partida para as famosas bandeiras. Agora, novas tribos podem desfrutar desse cenário, praticando escalada nas paredes e chaminés de pedra, pedalando a bike pelas encostas ou fazendo trekking pelas várias trilhas da reserva ecológica. O tempo dos bandeirantes ficou para trás, mas no local ainda podemos ver algumas ruínas de um muro de taipa da velha edificação, além de um tanque para lavar ouro. A antiga fortaleza, toda reformada, também permanece ali, tombada como monumento histórico. Mas o melhor de tudo mesmo é desfrutar do oxigênio puro e do aroma saboroso do pedacinho de floresta viva que restou na periferia da cidade grande. A área preservada era bem maior e chegava a emendar com o parque da Cantareira, ao norte. A ocupação humana desenfreada foi colocando concreto no lugar do verde. Mesmo assim, beija-flores, tucanos e outras aves ainda permanecem por ali. O mato fechado também abriga macacos, veados, quatis e outros bichos menores. Vale a pena dar uma chegadinha até esse parque urbano e refletir sobre a importância da integração entre o homem e a natureza. Fonte: http://360graus.terra.com.br/ecoturismo/default.asp?did=7014&action=reportagem
Laifi © 2011-2019 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda