Salvador - Bahia
20473 views
30 de Novembro de 2011
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Uniformes Cias Aéreas
188 postagens
Torre das Olimpíadas de 2...
10 postagens
Bonito - Mato Grosso do S...
45 postagens
Sérvia
44 postagens
Praias do Rio de Janeiro
18 postagens

 

Feira de São Joaquim - A Feira de São Joaquim é pop. Velha conhecida dos moradores da Cidade Baixa, a antiga feira de Água de Meninos tem se tornado um dos mais importantes pontos turísticos alternativos de Salvador. A feira se espalha por dez quadras, em 22 ruas, um espaço de mais de 60 mil metros quadrados. São 7.500 feirantes em mais de quatro mil boxes, que vendem alimentos típicos (rapadura, camarão-seco, tapioca), temperos, artigos religiosos - principalmente de candomblé -, artesanato de palha e cerâmica, frutas, verduras, legumes, carne, peixe e até animais vivos, trazidos de diversas partes do Recôncavo Baiano. Só lá é possível, por exemplo, comprar um bode adulto e bem cuidado por R$ 280, ou um dos mais novinhos, por um preço entre R$ 60 e R$ 80. Fundada há 41 anos, a feira de São Joaquim está em pleno processo de obtenção do título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, conferido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). E não é para menos. Nas ruas com nomes como rua do coco, da farinha, das cerâmicas, o porto da cana e o largo do quiabo, os visitantes encontram de tudo, desde os produtos de primeira necessidade até as receitas para tirar mau-olhado, limpeza de casa, atrair um amor, contra inveja, ganhar dinheiro, etc. Mas os turistas gostam mesmo é de tirar fotos, segundo o feirante Dinei, 40 anos, que trabalha na feira há 27. “Eles vem fotografar e depois fazem os pôsteres, comprar que é bom, nada.”, reclama. Dinei se refere à exposição Lá e Cá, do fotógrafo Sérgio Guerra, montada dentro da feira. Foram 438 fotos, mostrando a semelhança entre a Feira de São Joaquim e o Mercado São Paulo em Luanda (Angola), que estiveram expostas dentro de barracas e ao lado das ruas em outdoors durante cerca de dois meses, de janeiro a março de 2006. “Depois da exposição veio muito mais gente, inclusive daqui de Salvador mesmo. Muito mais turistas apareceram pra conhecer a feira e comprar bolsa, chapéu, pedra”, declara Roseane, 19 anos, atendente do Box Nau – Artesanato em geral, há dois anos. Outro atrativo para os turistas foi o filme Cidade Baixa, primeiro longa-metragem do cineasta Sérgio Rezende, cuja história era ambientada também na feira de São Joaquim. As filmagens não interferiram nas atividades da Feira, mas o sucesso do filme, sim. “Vem mais gente procurando saber onde foi o filme, agora”, afirma Seu José, vendedor de sandálias na feira. “O pessoal do Rio de Janeiro veio depois e exibiu o filme pra nós aqui, num caminhão”, revela. Mesmo com toda essa fama recém-conquistada, São Joaquim, como toda feira popular, tem seus problemas. Enquanto aguarda o título do Iphan, a feira é alvo de um plano emergencial de reordenamento, elaborado pela Prefeitura Municipal de Salvador. Fonte: http://www.freewebs.com/camilladiego/
Laifi © 2011-2019 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda