Salvador - Bahia
20482 views
30 de Novembro de 2011
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Praias do Rio de Janeiro
18 postagens
Ilhas paradisíacas
31 postagens
Natal (RN)
113 postagens
Torre das Olimpíadas de 2...
10 postagens
Parques de Porto Alegre
79 postagens

 

Religiosidade - A religião de matriz africana foi desenvolvida por escravos trazidos ao Brasil entre 1549 a 1888. O candomblé é muitas vezes confundido com Umbanda e Macumba, a única semelhança é a origem destas que são religiões distintas. O candomblé é considerado uma religião anímica, ou seja, que cultua a alma (anima) da Natureza. O mesmo Deus cultuado na Igreja Católica é chamado de diferentes maneiras nas diferentes nações do Candomblé: para a Nação Ketu é Olorum, para a Nação Bantu é Zambi e para a Nação Jeje é Mawu. Afinal, como os africanos escravizados no Brasil provinham de diferentes nações, os conhecimentos possuídos por seus sacerdotes também se diferenciavam. Entretanto, a prática do Candomblé passou por muitos processos de aceitação até ser o que conhecemos hoje. Como religião de matriz africana, o Candomblé era restrito apenas aos escravos. Durante muito tempo sua prática foi proibida pela Igreja Católica e foi perseguida por inúmeros governos. E para que não deixassem de praticar seus cultos e rituais, diversos aspectos da religião afro-brasileira foram camuflados pelos negros desde o início. Os orixás eram ocultados com nomes e imagens de santos católicos, as festas eram realizadas nos mesmos dias, entre outras coisas. Assim surge o tão conhecido sincretismo religioso e que perdura até hoje. A mudança de comportamento em relação à religião e de localização dos seus praticantes começou a mudar a mais ou menos 30 anos atrás. A popularização da Umbanda no Rio de Janeiro favoreceu para que as religiões desenvolvidas por Afro-brasileiros se espalhasse além das fronteira da Bahia e de Pernambuco. A mudança ocorre também nas pessoas que praticam essas religiões. Antes apenas negros descendentes de escravos faziam parte, mas nos anos 60 há uma mudança de pensamento e hoje não possui limitação de cor, raça, sexo ou idade. Só na cidade de Salvador, existem 2.230 terreiros registrados na Federação Baiana de Cultos Afro-brasileiros. Fonte: http://www.salvador-bahia.tur.br/portugues/candomble-salvador-bahia.htm
Laifi © 2011-2020 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda