Tipos de Câncer e Tumores
18311 views
05 de Agosto de 2011
O que causa o câncer?
O câncer é hereditário?
O câncer é contagioso?
Qual a diferença entre câncer in situ e invasivo?...
O câncer tem cura?
Todo tumor é câncer?
Como diagnosticar o câncer?
Quem está sob risco de desenvolver câncer?
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
O pódio das frutas
43 postagens
Alimentos que reduzem a p...
13 postagens
Fobias
41 postagens
Temperos e Ervas Aromátic...
137 postagens
Exercícios de musculação...
68 postagens

 

Tumores Odontogênicos - Os tumores odontogênicos, também chamados de mixomas ou neoplasias bucais são lesões derivadas dos remanescentes celulares que se originam durante a formação e erupcionamento (“nascimento”) dentários, não devendo ser confundidos com neoplasias malignas, do tipo câncer. Como tem relação com os dentes, são encontrados, exclusivamente, na mandíbula ou no maxilar superior (maxila) e devem ser considerados no diagnóstico diferencial de lesões envolvendo estes locais. A causa do desenvolvimento destas lesões ainda permanece desconhecida. Clinicamente, os tumores odontogênicos, quase sempre, não se apresentam doloridos, razão pela qual existe uma demora do paciente em procurar o especialista, neste caso, o cirurgião-dentista, quem normalmente primeiro tem acesso à lesão. Podem causar ainda expansão dos ossos maxilares, movimentação e reabsorção das raízes dentárias e perda óssea importante, muitas vezes causando fraturas inesperadas e indesejadas. O conhecimento das características clínicas dos variados tumores odontogênicos é extremamente importante no diagnóstico e tratamento precoces destas lesões. Como ocorre nas neoplasias em outros locais do corpo, os tumores odontogênicos se assemelham, ao microscópio, aos tecidos e células de origem. Podem aproximar-se dos tecidos moles do esmalte ou da polpa dentária, geralmente contendo elementos mineralizados (calcificados) destas estruturas. Tipos de Tumores Tumores do epitélio odontogênico Ameloblastoma É o tumor odontogênico de maior significado clínico. Sua denominação é dada devido à semelhança com as células do órgão de esmalte e apresenta um comportamento biológico único que leva a controvérsias quanto à melhor forma de tratamento. O ameloblastoma localiza-se em qualquer região da mandíbula ou maxila, embora haja uma predominância na mandíbula. Tumor odontogênico epitelial calcificante Esse tumor é também amplamente conhecido como tumor de Pindborg, e, embora seja nitidamente de origem odontogênica, sua histogênese é incerta. As células tumorais apresentam morfologia semelhante às células do estrato intermediário do órgão do esmalte, embora alguns autores sugerem que o tumor se origina de remanescentes da lâmina dentária. Tumor odontogênico adenomatóide Esse tumor é um tipo incomum de tumor odontogênico, caracterizado pela formação de estruturas semelhantes a ductos pelo componente epitelial da lesão. Ele constitui 3% a 7% dos tumores odontogênicos e mais de 750 casos foram relatados na literatura. O tumor odontogênico adenomatóide costuma limitar-se aos pacientes mais jovens, sendo incomum em pacientes com mais de 30 anos de idade. Acomete com maior freqüência as porções anteriores dos maxilares, sendo duas vezes mais comum na região anterior da maxila do que da mandíbula. Tumores odontogênicos mistos Odontoma Os odontomas são os tumores odontogênicos mais comuns da cavidade bucal. Esse tumor se forma quando esmalte e dentina são depositados em padrão anormal, porque a organização das células odontogênicas não chega a um estado normal de morfodiferenciação. A maioria dos odontomas são detectados durante as primeiras décadas da vida, sendo a média de idade de 14 anos. Caracteristicamente os odontomas são relativamente pequenos e raramente excedem o tamanho de um dente na área onde estão localizados. Radiograficamente, estes tumores são divididos em complexos e compostos. O tipo complexo é mais comum em região posterior e a imagem radiográfica é de uma massa radiopaca envolvida por um fino halo radiolúcido que corresponde à cápsula do tumor. Freqüentemente, um dente incluso encontra-se associado com o tumor. Ema alguns casos os tumores estão localizados entre as raízes de dentes irrompidos. Mixoma Os mixomas se originam, aparentemente, da porção mesenquimatosa do germe dentário, seja da papila dentária, seja do folículo ou do ligamento periodontal. Eles são predominantemente encontrados em adultos jovens, porém podem ocorrer em qualquer idade. A média de idade dos pacientes com mixomas é de 25 a 30 anos. O tumor pode ser encontrado em quase todas as regiões dos maxilares, e a mandíbula é um pouco mais afetada que a maxila. As lesões menores são geralmente assintomáticas, sendo descobertas apenas durante um exame radiográfico de rotina. Radiograficamente, o mixoma apresenta-se como uma lesão radiolúcida uni ou multilocular, que pode deslocar-se ou causar reabsorção dos dentes na área do tumor. Tumores do ectomesênquima odontogênico Cementoblastoma O cementoblastoma, também conhecido como displasia cementária periapical, é descrito como uma lesão de ocorrência relativamente comum, porém que confunde vários pesquisadores quanto a sua natureza. Sua etiologia é desconhecida, embora tenha sido sugerido que ocorra em conseqüência de traumatismo crônico leve, talvez a oclusão traumática. Quase a totalidade dos pacientes acometidos tem mais de 20 anos de idade e parece que as mulheres são afetadas com maior freqüência que os homens. A lesão aparece no ligamento periodontal, ou próxima a ele, à volta do ápice de um dente, geralmente um incisivo inferior. Tratamento A remoção cirúrgica é o tratamento de escolha. Devido a consistência frequentemente amolecida e gelatinosa, a curetagem pode resultar em remoção incompleta. A ausência de uma “cápsula” envolvendo a lesão também colabora para as recidivas, como citado anteriormente, principalmente se a remoção cirúrgica for muito conservadora, razão pela qual o diagnóstico e o tratamento precoces podem evitar grandes mutilações, apesar de essas lesões serem extremante agressivas e possuírem alto grau de recidivas, o prognóstico é bom. Fontes: http://www.sissaude.com.br/sis/inicial.php?case=2&idnot=10013 http://boasaude.uol.com.br/realce/showdoc.cfm?libdocid=15292&ReturnCatID=20035 http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?718
Laifi © 2011-2019 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda