Wilson Simonal: Discografia e Letras de Músicas
4896 views
05 de Agosto de 2011
Wilson Simonal (1981)
Simonal (1983)
Bem Brasil - Estilo Simonal (1998)
Os Compactos
 

 

 

 

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Djs Famosos
35 postagens
Raças de Gatos
66 postagens
Tipos de Sushi
28 postagens
Filmes e Livros do Harry ...
95 postagens
Fotos históricas
103 postagens

 

Biografia e Carreira (26/02/1938 - 25/06/2000) - O Rei da Pilantragem Wilson Simonal de Castro nasceu no Rio de Janeiro, no dia 23 de fevereiro de 1938. Ao servir o exército começou a cantar nas festas do regimento. Chegou ao posto de cabo e deu baixa das forças armadas para cantar em shows, principalmente rocks cantados em inglês. De baile em baile, foi descoberto, em 1961, pelo compositor e produtor Carlos Imperial, que o levou para o seu programa de TV, Os Brotos Comandam, começando assim sua carreira profissional. Seu primeiro compacto foi o chá-chá-chá “Teresinha”, de Imperial. De boate em boate, foi parar no templo da bossa nova, o Beco das Garrafas, levado por Luiz Carlos Miéle e Ronaldo Bôscoli. Em 1963, Simonal lançou seu primeiro LP, "Wilson Simonal Tem Algo Mais", que estourou a música “Balanço Zona Sul”, de Tito Madi. Depois de excursionar com o Bossa Três pelas Américas do Sul e Central, lançou o LP “A Nova Dimensão do Samba”, de bossa nova (destaque para "Nanã" e "Lobo Bobo"). Simonal foi o primeiro negro a apresentar sozinho um programa de televisão no país. De 1966 a 1967, apresentou na TV Record o Show em Si Monal. Revelou-se um showman, que dominava o palco com uma naturalidade impressionante. A melhor fase de sua carreira chegaria em seguida, com uma série de sucessos dançantes como “País Tropical”, “Mamãe Passou Açúcar em Mim”, “Meu Limão, Meu Limoeiro” e “Sá Marina”, que deram origem a um estilo suingado conhecido como Pilantragem. Simonal vai tornando-se cada dia mais popular, chegando a rivalizar com Roberto Carlos na preferência do público. Foi criador e difusor de diversas gírias, como, "Vou Deixar Cair"; "S'imbora", "Estar Por Fora", "Nem Vem, Que Não Tem". "Alegria, Alegria" e "Patropi". Em 1970, Simonal fez um dueto com Sarah Vaughan (já considerada uma das rainhas do jazz). Tal era a popularidade que Simonal chegou a reger um coro de 15 mil vozes no show de encerramento do IV Festival Internacional da Canção, no Maracanãzinho. Era o auge de sua carreira. Encontrou sua derrocada em 1972, quando foi acusado de ser o mandante de uma surra, dada por dois policiais, no contador de sua firma, que o teria roubado. Denunciado, Simonal foi condenado – e durante o inquérito, um agente do Dops ainda revelou que o cantor tinha sido informante do órgão. Com essa acusação de dedurismo em plena ditadura militar, Simonal passou para o completo ostracismo, só encerrado em 1994, quando foi lançada em CD a coletânea “A Bossa de Wilson Simonal”. Fontes: http://cliquemusic.uol.com.br/artistas/ver/wilson-simonal http://opiniaoenoticia.com.br/cultura/wilson-simonal-um-assassinato-artistico/ http://ldomblog.blogspot.com/2009/07/wilson-simonal-wilson-simonal-de-castro.html
Laifi © 2011-2022 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda