Tipos de Vinhos
2166 views
28 de Julho de 2011
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Contos de Fadas
20 postagens
Penedo - Alagoas
26 postagens
Receitas de natal
26 postagens
Eric Clapton
85 postagens
Lembrancinhas
68 postagens

 

Vinhos Argentinos - Argentina, com aproximadamente duzentos anos de tradição na produção e no consumo de vinhos finos, iniciou seus conhecimentos quando os primeiros espécimes de "vitis vinifera" foram trazidos a América pelos colonizadores espanhóis a começos do século XVI. Os sacerdotes católicos que chegaram a estas terras estabeleceram vinhedos perto dos seus monastérios, para poder assegurar o vinho necessário para celebrar a santa missa. Os jesuítas distinguiam os vinhos cuyanos (Mendoza e San Juan) por ser “muito generosos e fortes, capazes de suportar grandes viagens sem se corromper”. As famílias que tinham chegado da Europa, com uma longa tradição na elaboração de vinhos, estabeleceram-se definitivamente nessas províncias e plantaram varietais novos. Ao redor de 1860 chegaram as primeiras cepas de uva Malbec em Mendoza. Durante muito tempo, foram as crioulas, entre as quais havia variedades brancas e tintas- as únicas uvas cultivadas no país. Isto, somado a uma tecnologia muito precária para a elaboração dos vinhos, fez que recém em 1800 fossem produzidas alterações significativas na qualidade do produto. Mendoza começou a se destacar como zona produtora de vinhos e isto foi acentuado com a inauguração do trem em 1885. O traçado férreo unia –através de mais de 1100 quilômetros, o porto de Buenos Aires com as províncias de Cuyo. Isto reduz os problemas de translado e aumentou o intercambio de mercadorias com o conseqüente crescimento da produção. Deste modo os vinhos elaborados em Mendoza e San Juan adquiriram rapidamente reconhecimento nos principais centros urbanos do país Malbec, Cabernet, Pinot, Semillon, Merlot e Chardonnay descobriram condições ideais e prosperaram rapidamente, originando os primeiros vinhos finos argentinos. Este desenvolvimento incluía a elaboração, com o método champenoise, de espumantes de uma sutileza e esquisitice extraordinária. Uma temperatura adequada, longas horas de sol, chuva escassa, baixa umidade relativa, e a ausência de ventos fortes, criaram junto aos seus solos excepcionais um ambiente ecológico para a produção de uvas de máxima qualidade. Viticultura Os métodos tradicionais da irrigação são a inundação e por sulcos, mas ambos podem produzir sabores diluídos no vinho quando usados em demasia. Como os winemakers buscam melhorar a qualidade da uva, eles devem também limitar os rendimentos por hectare. Os sistemas de irrigação estão tornando-se cada vez mais refinados. Os novos desenvolvimentos começaram a usar a irrigação por gotejamento. Os solos argentinos variam ao longo do comprimento dos Andes e variam de arenoso à argila, mas são predominantemente argilosos. A maioria é de solo alcalino rico em cálcio e potássio, mas pobres em material orgânico. Os valores de pH usuais pairam ao redor oito. Aqueles na província de Mendoza tendem a ser mais cheios de pedra e aluviais. As videiras são cultivadas em dois estilos principais chamados latada (parreiral) e em espaldeira. No estilo latada, as videiras são plantadas relativamente distantes umas das outras e crescem sobre um único tronco com um ou dois metros de altura. Este sistema mantém a uva bastante acima da terra para evitar o calor e as geadas e é também compatível com colheita mecânica. Também é associado com os rendimentos elevados e pode causar amadurecimento irregular. O estilo mais clássico de espaldeira usa um sistema de três fios paralelos para cultivar as videiras horizontalmente. É mais compatível com irrigação de gotejamento e gerência do amadurecimento. As Variedades Hoje vários produtores têm plantado inúmeros tipos de uvas para desenvolvimento de mais uma variedade que melhor se adapte ao solo argentino assim como a Malbec. A variedade Bonarda, originária da região do Piemonte, na Itália, já tem feito grande sucesso. As uvas Malbec encontraram favoráveis condições de crescimento na Argentina, e não há duvidas de que a Malbec Argentina é umas das uvas mais deliciosas e de maior sucesso no mundo. Sua coloração intensa, seu aroma a amora, ameixas e mel, e a sua habilidade para amadurecer à perfeição, criam vinhos de uma textura aveludada e duradoura, e agradável sabor. Quando os vinhos são envelhecidos em barris de carvalho, a fragrância de baunilha e o suave tanino são perfeitos acompanhantes para um bife ou até um chocolate ou um doce de amora vermelha. A Torrontés é a variedade de uva branca mais distintiva da Argentina. Produz um vinho branco frutado e elegante de uma fresca acidez. Constitui um grande atrativo para os jovens bebedores de vinho branco que apreciem o seu caráter frutado e floral. Uvas Tintas Barbera, Bonarda, Nebbiolo, Dolcetto, Sangiovese, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Malbec, Merlot, Petit Verdot, Pinot Noir, Syrah, Tempranillo Uvas Brancas Chardonnay, Sauvignon Blanc, Chenin Blanc, Viognier, Moscato Bianco, Tocai, Moscatel, Pedro Ximenez, Riesling, Torrontés As Regiões REGIÃO NORTE A região norte é constituída por cinco subregiões em direção norte-sul: Jujuy, Salta, Catamarca, Rioja e San Juan, sendo que as duas últimas formam o Valle del Tulum. A sub-região de Salta também costuma ser denominada Salta-Cafayate e a sub-região de Rioja compreende os distritos de Nonogasta e Chilecito. A região norte produz poucos vinhos de qualidade e grande quantidade de destilados vínicos. Os destaques são para as sub-regiões de Salta, onde se faz o melhor vinho da uva Torrontés (uva branca muito plantada no país), e San Juan, cujos vinhedos fornecem 18% da produção do país e faz bons vinhos das uvas Malbec e Cabernet Sauvignon. Região Centro - Mendoza Mendoza é a mais importante zona vinícola Argentina, com produção de 75% do total de vinhos do país e 85% dos vinhos de qualidade! Possui vários distritos tais como Agrelo, Drumond, Luján de Cuyo, Maipú, Perdriel, Rivadavia, Rodeo de La Cruz, San Rafael e Tupungato. Deles, o mais importante é San Rafael, com seus subdistritos de Paredes, Alto de Las Paredes e Rama Caída, que alguns consideram uma zona vinícola à parte de Mendoza. Região Sul - Neuquén e Rio Negro Seus vinhedos correspondem a apenas 5% da área cultivada no país, mas é considerada uma região promissora, possuindo clima mais frio, semelhante aos das melhores regiões chilenas. A região está no Alto Valle del Rio Negro e divide-se nas sub-regiões Neuquén e Rio Negro. Fontes: http://www.argentinawinetourism.com/turismo_vinhos_argentina/01-vinho_na_argentina/06-historia_vinho_argentina.htm http://www.e-vinho.com.br/pais.php?pais=Argentina&continente=Am%E9ricas
Laifi © 2011-2020 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda