Atentados contra Políticos
2010 views
05 de Julho de 2011
Antiguidade
Séc. XIX
Séc XX - 1ª metade
Séc. XX - Anos 60
Séc. XX - Anos 70
Séc. XX - Anos 80
Séc XX - Anos 90
Séc XXI - Anos 2000
Séc XXI - Anos 2010
 
Você pode ajudar a construir este Laifi! Para inserir textos, imagens ou vídeos, passe o mouse sobre o lápis do item desejado e escolha "Incluir".

Dica: utilize esta barra ou o botão de rolagem do mouse para aumentar ou diminuir o zoom.
Dica 2: para navegar neste Laifi, clique em alguma região vazia e arraste-o para a direção desejada.

Laifis em destaque
Pincéis para maquiagem
38 postagens
Carros para mulheres
96 postagens
Principais jornais do Bra...
87 postagens
Príncipe William e Kate
45 postagens
Maquiagens para todas oca...
72 postagens

 

João Bernardo Vieira (02/03/2009) - Notícia da Folha de São Paulo, do dia 02/03/2009 Presidente e chefe do Exército são assassinados em atentados na Guiné-Bissau http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u511144.shtml O presidente da Guiné-Bissau, João Bernardo Vieira, foi morto nesta segunda-feira por soldados, um dia após o chefe do Estado-Maior do Exército, general Tagmé Na Wai, morrer em atentado a bomba, informou a Rádio França Internacional, que citou fontes diplomáticas. Embora a morte dos dois líderes guineenses sugira o início de um golpe de Estado no país, o Exército afirmou que nenhum plano de derrubada do governo estava em andamento e reiterou que respeitará a ordem constitucional --na qual o chefe do Parlamento deve suceder o presidente. Em comunicado, os militares alegaram que o assassinato de Vieira foi um ataque de um grupo isolado de soldados não-identificados e que o Exército já está procurando os responsáveis. João Relvas-10mar.06/Efe Presidente João Bernardo Vieira foi assassinado nesta segunda-feira Desde a madrugada desta segunda-feira, um forte dispositivo militar rodeava a sede da Presidência da Guiné-Bissau, para tentar evitar qualquer ataque contra Vieira --morto ao deixar sua casa. Em vários pontos da capital, Bissau, a polícia tentava conter tiroteios e distúrbios causados pela morte de Na Wai, segundo emissoras regionais de rádio. Segundo o coronel de reserva e amigo de Vieira, Sandji Fati, o presidente se recusou a deixar sua casa quando diplomatas da embaixada angolana chegaram para levá-lo a um lugar mais seguro. Vieira é um ex-comandante militar que foi derrubado durante a guerra civil na década de 90. Ele retornou ao poder após vencer as eleições de 2005. O presidente vinha tendo problemas com Na Wai, morto em atentado neste domingo. Arte O atentado que causou a morte do general Na Wai, na noite deste domingo, foi realizado com uma bomba colocada na sede do Estado-Maior do Exército. A explosão deixou outros cinco feridos, entre eles dois graves, e derrubou parte do prédio, informaram as mesmas fontes. O primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, tinha convocado para esta segunda-feira uma reunião urgente do governo e anunciado a criação de um comitê de crise para enfrentar a morte de Na Wai. Gomes ainda não se pronunciou após a morte de Vieira. Atentados Jose Sousa Dias-04/Efe General Tagmé Na Wai, assassinado em atentado no domingo (1º) em Guiné-Bissau Na Wai denunciou em janeiro passado um atentado frustrado pelo qual responsabilizou membros da guarda do presidente. Segundo o general, eles abriram fogo durante a passagem de seu veículo diante do palácio presidencial. Em 23 de novembro de 2008, um grupo de militares atacou à noite a residência do presidente Vieira, deixando dois mortos. Guiné-Bissau é um dos países mais pobres do mundo e, desde que obteve a independência de Portugal em 1974, sofreu vários golpes de Estado. O país, de apenas 1,6 milhão de habitantes, se transformou em centro da rota do tráfico de cocaína da América do Sul para a Europa e altos cargos do governo e chefes militares foram acusados de participar deste negócio ilegal. Com Efe, France Presse, Reuters e Associated Press Saiba mais em: http://www.passeiweb.com/saiba_mais/atualidades/1236373096
Laifi © 2011-2017 Idioma: Português (BR) | Sobre o Laifi | Termos de uso | Política de privacidade | Ajuda